Revista 23 / Outubro 1999

Revista 23 / Outubro 1999

A polêmica sobre eventuais reações adversas provocadas pelos alimentos geneticamente modificados, tanto ao homem como ao meio ambiente, coloca os produtos naturais em evidência, principalmente porque o sistema produtivo dispensa o uso dos chamados insumos modernos, ou seja, os agroquímicos. Essa discussão tem ocasionado um sensível crescimento na procura dos orgânicos e uma acentuada expansão na área de produção.

Força italiana nos campos brasileiros

Avalie este item
(0 votos)

ABCM lançou o 2º Sumário da Raça, com análises de 43 touros, todos com, na mínimo, sei progênies controladas na desmama e aos 12 meses. O trabalho foi desenvolvido pelo Grupo de Melhoramento Genético Animal, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, da USP/Pirassununga. Os reprodutores são oriundos de 14 rebanhos dos Estados de Goiás, São Paulo e Paraná.

O leite que entra pela boca do animal

Avalie este item
(0 votos)

De acordo com dados da USDA, Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, publicados pelo Anuário Milkbizz, a estimativa para a produção de leite no Brasil, em 1999, deve atingir 22,495 milhões de toneladas, com 16,750 milhões de cabeças ordenhadas e produtividade animal/ano de 1.343 kg. No mesmo período, os Estados Unidos apontam produção de 72,650 milhões de toneladas, com 9,135 milhões de vacas ordenhadas e produtividade animal/ano de 7.953 kg.

Cada caso é um caso; cada rebanho é um rebanho; cada propriedade é uma propriedade. Pode parecer exagero, mas a correta montagem de uma sala de ordenha exige uma precisão tal que o pecuarista deve responder uma série de perguntas antes de fazer sua escolha.

“O grande objetivo do projeto é a eficiência, e o Pardo Suíço, raça escolhida por nós nessa empreitada, se encaixou perfeitamente, esclarece o criador Gabriel do Penteado, titular da Fazenda Fortaleza, localizada em Amparo, SP.

Qualidade custa, mas vale!

Avalie este item
(0 votos)

Segundo as principais empresas especializas na venda de sêmen instaladas no Brasil, nos últimos anos, o criador aprendeu a pagar mais por animais realmente melhoradores. Projetando o retorno de seus investimentos a médio e longo prazo. Isso vem contribuindo para disseminar ainda rapidamente em nosso rebanho a melhor genética leiteira disponíveis hoje.

Tirando o lucro do queijo

Avalie este item
(0 votos)

Normalmente, quem parte para a formação de um mini laticínio dentro da propriedade, ainda que em proporções diminutas, não se arrepende. É o caso, por exemplo, de Eribelto Vanderlei Ciryllo Rangel, proprietário do Laticínio Serra Dourada, em Extrema, MG. Começando a produção de derivados em 94, ele utilizou a princípio, apenas o leite produzido na fazenda, tirado de um rebanho de Pardo-suíço puro, com várias matrizes importadas.

Um gado forjado na genética e no trato

Avalie este item
(0 votos)

Os resultados que a Fazenda Vilar do Rei, de Jarinú (SP), vêm conseguindo nas competições da raça Holandesa e nos leilões que participa está diretamente ligado á uma retaguarda séria no dia-a-dia da propriedade. Depois de liquidar seu plantel em 1986, o pecuarista Belarmino da Ascensão Marta retomou atividade leiteira um ano depois, auxiliando por seu filho Belarmino da Ascensão Marta Júnior.

Vacinação e manejo combatem o botulismo

Avalie este item
(0 votos)

Entre meados da décadas de 80 e início dos anos 90, o Brasil vivenciou surtos de botulismo, que causaram a morte de aproximadamente um milhão de bovinos. Embora saem o amparo de estatísticas, sabe-se que o país tem controlado a doença, em razão de os criadores adotarem melhor manejo dos animais, e também com surgimento de novas vacinas.