Revista 139 / Setembro 2009

Revista 139 / Setembro 2009

Doença da soja - os riscos da lavoura!

Avalie este item
(0 votos)

A lista de doenças na lavoura de soja passa de 40 no País, e o produtor deve se pautar num manejo adequado de controle para não obter prejuízos ao bolso. Fungos, bactérias, nematóides e vírus são os causadores das 46 doenças da cultura de soja no País. Esse número – entre outras questões relacionadas ao cultivo do grão – foi apresentado na 30ª Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil (RPSRCB), realizada em agosto de 2008, em Rio Verde (GO).

Ferrugem asiática - a ameaça continua!

Avalie este item
(0 votos)

Quando a assunto é a saúde da lavoura de soja, a ferrugem asiática continua se configurando como o principal fantasma que assombra o produtor. A notícia de uma nova doença chegara aos ouvidos dos produtores na safra de 2000/2001, mas não foi dado o devido crédito a ela.

Em 40 anos de inseminação artificial no Brasil, muita coisa mudou, inclusive o público consumidor. Se no início apenas pecuaristas de elite utilizavam a tecnologia, hoje em dia até “sem-terra” compra botijões. Nos últimos anos, a inseminação artificial se desenvolveu muito no Brasil e no mundo, e com a chegada da Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) o crescimento deverá propiciar crescimento ainda maior.

Manejo de solo é essencial para conservar a umidade, já que o produtor brasileiro anda sofrendo cada vez mais com as secas. As sementes precoces, as preferidas dos produtores, podem ser as grandes vilãs devido a exigência de água em um pequeno período.

O oeste do Estado da Bahia conheceu um desenvolvimento da atividade agrícola sem precedentes nos últimos anos, junto a isto, ele trouxe também a pecuária extensiva, atraindo grandes pecuaristas. Quando no século 19, o escritor Euclides da Cunha cita em uma de suas obras, o sertão nordestino, sempre o descreve como sendo uma região de muita seca, miséria e de terras improdutivas.

Milho pipoca - estourando nos lucros!

Avalie este item
(0 votos)

Produtores de milho-pipoca encontraram nas parcerias uma forma de garantir o preço do produto e aumentar a produtividade. A família do senhor Adir Jeacomini e de Ivaldo Masiero são o que podemos chamar de agricultores familiares diversificados. Nas terras em que possuem de cinco a 10 hectares (ha), respectivamente, eles plantam milho, soja, trigo e, em alguns casos, ainda mantém um espaço até para uma pequena produção leiteira.

O manejo do solo difere de região para região, mas a rotação de cultura e a cobertura com palha são fundamentais em todas as regiões. Além disso, análise de solo e planejamento a longo prazo são práticas fundamentais para um bom andamento do negócio.

Utilização de produtos químicos é fundamental, mas sem um manejo adequado, a luta contra as plantas daninhas será perdida. “Faz 35 anos que falo ao produtor como se deve cuidar para não deixar a planta daninha crescer e tomar espaço na lavoura, mas ninguém faz. Vou me aposentar”. A frase é do pesquisador da área de plantas daninhas da Embrapa Soja (PR), Dionísio Luis Pisa Gazziero.

A técnica de tratamento de sementes é um tanto simples. Basta misturar, na dose adequada, uma porção de sementes de qualidade com a calda composta de fungicidas e, mais atualmente, inseticidas e micronutrientes, para a melhor proteção da lavoura de soja.