Revista 169 / Março 2012

Revista 169 / Março 2012

Em nome da segurança sanitária do país, o governo brasileiro redobrou a sua atenção na fronteira com o Paraguai. Tudo para evitar a entrada do vírus da febre aftosa em terras brasileiras. Na fazenda do pecuarista Sr. Joanelson Pinheiro, situada em Paranhos, distante a 469 quilômetros da capital Campo Grande (MS), na fronteira com o Paraguai, são mantidas 500 cabeças de gado. Por segurança, o pecuarista não adquire mais animais do país vizinho. "Neste momento, temos que evitar qualquer transação do gado, como a troca ou venda", diz. Segundo dados do Departamento de Saúde Animal (DAS) do Ministério da Agricultura, são 650 quilômetros de fronteira seca, cerca de seis mil produtores e 800 mil cabeças de gado na região. "Daí, com isso a atenção tem que ser redobrada", afirma Pinheiro.

Com o mercado de vendas aquecido, marcas de todo o Brasil apresentam seus produtos na principal feira do setor agro da América Latina Aproveitando o crescimento das vendas de máquinas e implementos agrícolas em janeiro de 2012, expositores de máquinas, implementos e veículos agrícolas estarão na Agrishow 2012 - 19ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação - para exibir novas linhas produtos disponíveis no mercado.

A temperatura estava nas alturas dos dias 6 a 10 de fevereiro deste ano em Cascavel (PR). A semana registrara uma média de 37°C, diariamente, no entanto, o clima quente não foi problema para Evaldo Prox, produtor de erva mate, soja e milho no município de Ivaí, que fica a cerca de 375 quilômetros (km) de Cascavel e 90 km de Ponta Grossa. Era a primeira vez que ele visitava o Show Rural Coopavel - feira de tecnologia em agropecuária promovida pela Coopavel Cooperativa Agroindustrial desde 1989.

Dedo de Prosa

Avalie este item
(0 votos)

Empresas devem melhorar a logística para sobreviver

Com o objetivo de aumentar a produção do fruto no Brasil, a Embrapa desenvolveu quatro novas cultivares que apresentam resistência às principais doenças da cultura, maior produtividade e rentabilidade para os produtores.

Taylor Marostica é filho de produtores de Cascavel (PR), o senhor Atilio e dona Carmen Marostica. É também formado em medicina veterinária e ainda possui alguns cursos de gestão e empreendedorismo. Lá no município, a família, na qual ainda conta com mais duas irmãs de Taylor, desenvolve o trabalho com a lavoura de grãos desde a década de 1970, especificamente com a soja. De lá pra cá, as transformações do negócio foram incrementadas a partir das tecnologias que foram surgindo no campo. De três safras para cá, a novidade tem sido a aplicação de ferramentas da agricultura de precisão para o auxílio em programas de adubação de solo das áreas agricultáveis.

A suplementação mineral pode ser a verdadeira 'sopa de letrinhas' para o gado e é responsável, entre outras coisas, por garantir o equilíbrio das funções orgânicas no animal como o crescimento e a engorda. Cálcio (Ca), fósforo (P) e magnésio (Mg) são os principais, mas também são destaques, sódio (Na), cobre (Cu), cobalto (Co), zinco (Zn), iodo (I), selênio (Se), potássio (K), manganês (Mn), flúor (F), molibdênio (Mo) e, eventualmente, ferro (Fe), entre outros. Todos, elementos químicos, que devem constar na dieta mineral dos ruminantes - uns mais e outros menos, dependendo da região, da qualidade da pastagem e dos demais alimentos direcionados à engorda dos animais.

A biotecnologia já é um benefício consolidado entre agricultores familiares de todo o Brasil. Independente do tamanho da propriedade, a opção pela semente geneticamente modificada (GM) é uma realidade entre todos os produtores que, segundo Narciso Barison Neto, presidente da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (ABRASEM), têm, hoje, acesso direto a variedades que facilitam o manejo das plantações e trazem maior produtividade.

Em 2011, a projeção positiva da pecuária de corte alavancou os negócios das indústrias do setor, que já esperavam fechar o ano com resultados positivos. Com o preço da arroba chegando à casa dos R$ 100, os produtores atentos às oportunidades aproveitaram o período de euforia e de demanda aquecida para investirem na adubação da pastagem, em tecnologia de ponta e, principalmente, na aquisição de produtos de qualidade para a saúde dos animais.